School of Sufi Teaching

Escola de Ensinamento Sufi

Práticas Naqshbandi, Mujaddidi, Chishti, Qadiri e Shadhili

Support the Sufi School
Sufi School is a non-profit charity involved in creating awareness about Sufism and providing authentic Sufi teachings to sincere seekers.

All the teachings are given free of cost and students are not charged for attending our weekly gatherings for teaching, mentoring, discussions and group practices.

Our activities are carried out through voluntary donations. We request you to donate generously to support our work. Any amount of donation to help us to continue this good work will be appreciated and thankfully accepted.

PayPal
Use PayPal to send a donation to the School of Sufi Teaching.

A PayPal account is not mandatory, credit cards are accepted as well.

Amazon Smile
Select the School of Sufi Teaching as your charity on Amazon.

Amazon will donate 0.5% of any purchases you make to us, without any extra cost to you.

Wire transfer
Banker: HSBC UK
Address: 85 Lewisham High Street, Lewisham, London SE13 6BE
Account Number: 11397222
Sort Code: 40-03-16
IBAN: GB47HBUK40031611397222
BIC: HBUKGB4140T

Desenvolvimento Histórico

Embora o Sufismo seja sempre associado à dimensão espiritual do Islã, o termo “Sufismo” não foi utilizado até muitos anos após o advento do Islã. Qual é, então, a história do Sufismo e onde se originou?

Em todos os tempos e lugares existiram indivíduos cujo profundo desejo e inquietação interior os levou a dedicar-se à meditação, oração ou retiro espiritual. Assim agia o Profeta Mohammed (saws) que, antes mesmo de receber revelações proféticas, dedicava-se à prática periódica do retiro, em uma caverna próxima à Meca, para adorar a Deus.

Mais tarde, com o surgimento de comunidades muçulmanas, alguns companheiros de Mohammed inclinaram-se também à mais profunda expressão e cumprimento do amor a Deus. O Corão diz, “em verdade, o teu Senhor sabe que tu [Mohammed] te levantas para rezar, algumas vezes durante dois terços da noite, outras, metade, e outras, ainda, um terço, assim como [o faz] uma boa parte dos teus” [Corão, 73: 20].

As diretrizes que formam a base das práticas Sufi estão no Corão e nos ensinamentos do Profeta do Islã (saws). Por exemplo, a prática de lembrar o Divino silenciosamente (dhikr khafi) foi primeiramente ensinada pelo Profeta (saws) ao companheiro Abu Bakr (r.a.) (d.634 E.C.) quando ambos buscavam refúgio em uma caverna durante o hijrah [hégira] ou jornada de Meca à Medina.

A prática Sufi de invocar a Deus em voz alta (dhikr jali) remonta às orientações dadas pelo Profeta (saws) ao seu genro e primeira pessoa a adotar o Islã, Ali (d 661 E.C.).

miraj, ou jornada noturna, do Profeta (saws) há muito vem inspirando místicos como uma metáfora do caminho espiritual. O Profeta (saws) foi transportado fisicamente por Deus, de Meca à Jerusalém, e de Jerusalém foi levado aos sete paraísos, chegando finalmente a cerca de “dois arcos” de distância de Deus. Assim, também, o aspirante Sufi empenha-se em transcender as limitações físicas de tempo e espaço e aproximar-se do Divino.

Esses e outros exemplos demonstram que já existia um forte elemento místico na vida do Profeta Mohammed (saws).


O aparecimento dos primeiros indivíduos denominados “Sufis” é geralmente associado ao desenvolvimento histórico dos séculos VII e VIII. Entre 622 e 632 E.C., o Profeta Mohammed (saws) estabeleceu em Medina uma sociedade baseada nos princípios islâmicos de equidade, justiça, consenso, piedade e liderança sensitiva. Após sua morte, seus primeiros quatro sucessores, os Califas, seguiram suas orientações rigorosamente. Eles governaram a rápida expansão territorial dos muçulmanos segundo os ensinamentos do Corão e da sunnah (exemplos comportamentais e palavras proferidas pelo Profeta, saws).

Passados cem anos do hijrah [hégira], houve muita turbulência política e os mais religiosamente devotos deixaram de ser os líderes da comunidade muçulmana. Vários subgrupos notaram que seus governantes ficaram muito envolvidos em assuntos mundanos e objetivos egoístas. Por conseguinte, muitos muçulmanos conhecidos e respeitados desligaram-se completamente do governo. Duzentos anos após a morte do Profeta (saws), alguns dos que rejeitaram o governo secular passaram a ser chamados Sufis. O Sheykh persa Abu Hashim Kufi (r.a.) (d. cerca de 776 E.C.) foi o primeiro a ser conhecido por esse nome. Os primeiros círculos Sufi surgiram entre 660 e 850 E.C.

A segunda fase da expansão dos ensinamentos Sufi coincide com outro aspecto importante da história islâmica, de 850 E.C. até o século X. A filosofia grega e as ciências haviam se tornado comuns entre os muçulmanos e a sociedade islâmica deparou-se com uma enorme onda de racionalismo. A crença das pessoas tornou-se profundamente abalada e cheia de dúvidas. Para neutralizar essas influências, os mestres Sufi enfatizaram a doutrina do ishq (amor veemente) e as experiências alcançadas através dos estados espirituais do coração.

A terceira fase do desenvolvimento do Sufismo aconteceu no século X E.C. Os sábios da época tentaram redespertar um espírito religioso que permeasse o cotidiano das pessoas. Eles perceberam que o comportamento humano não podia ser aprimorado enquanto seu coração estivesse consumido pelas preocupações terrenas. Eles enfatizaram a purificação do ego, guiando as pessoas para superar o condicionamento decorrente das atividades mundanas e do pensamento racional. Eles as ajudaram a restabelecer suas vidas interiores proporcionando estrutura e disciplina para uma vida ética e moral.

Entre os séculos X e XII, o Sufismo passou a ser uma disciplina amplamente respeitada. Muitos estudiosos e mestres espirituais renomados ensinaram durante esse período, estabelecendo as práticas e terminologias Sufi. Foram fundadas as tariqahs (ordens).

No final do século XIII, o Sufismo havia se tornado uma ciência do despertar espiritual bem definida. Através da experimentação e investigação, os sheykhs desenvolveram técnicas de auto-refinamento transmissíveis, cuja eficácia foi confirmada por inúmeros aspirantes. As tariqahs Sufi tornaram-se a base de um movimento místico muito difundido, proporcionando à humanidade uma renovação da sua antiga busca espiritual.

Total
3
Shares
Voltar

Questões Globais e o Sufismo

Próxima

Origem

Posts relacionados
Leia mais

Sufismo

O anseio pelo misticismo – o anseio por vivenciar uma dimensão além do mundo material, de conhecer e retornar à Essência ou Verdade espiritual – é inerente ao homem, independente da religião. As pessoas estão imbuídas desta tendência em graus…
Leia mais

Origem

Os orientalistas expressam diversas opiniões acerca da origem do Sufismo; alguns autores acreditam que foi influenciado pela filosofia grega. O Professor R. A. Nicholson, da Universidade de Cambridge, fundamenta essa hipótese citando semelhanças entre os trabalhos dos Sufis e dos…
Leia mais

Questões Globais e o Sufismo

A abordagem Sufi é relevante à sociedade atual e às questões que vão configurar o futuro da humanidade. Os ensinamentos do Islã ponderam todas as questões relativas a valores, diversidade cultural, preservação ambiental, equidade econômica e resolução de conflitos. Historicamente,…
Leia mais

Sufismo e o Futuro da Humanidade

Ao tratarmos da direção da humanidade, devemos considerar como chegamos onde estamos. Historicamente, todas as nações tiveram algum conceito de um poder ou poderes superiores aos quais as pessoas recorriam ante as aflições da vida. As formas com que as…